terça-feira, 16 de maio de 2017

Fotos do Leonardo

 Leonardo saiu do plantão hoje, passou em Nova Petrópolis para ver a mãe e a irmã, como de costume, e tirou estas fotos na casa da mãe.
 Fotos feitas com o celular.
 Cores de outono.
 Estas teias tinham gente em casa! :)

Flores de outono!







 Folhas de outono.



 Todas as fotos acima foram feitas na casa da sogra. Adorei, todas elas!
E na fruteira, a pinha e o pinhão.

domingo, 14 de maio de 2017

O dia dela!

 Eu e minha mãe, no pátio da pré-escola.
 Alguns muitos anos depois... eu e ela na Feira do Livro de Porto Alegre.
 Eu sou a caçula de três irmãos. Olha eu ali, no colinho da minha mãe gata, em Florianópolis.
Todo dia é o dia dela mas, aqui vai a minha pequena homenagem no dia das mães, com estas três fotos que eu adoro demais!
Parabéns e felicidades a todas as mães!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Fotografando um final de remada do Leonardo

 Semana passada, Leonardo recebeu o amigo e xará Leonardo, para uma remadinha no quintal de casa, como costumamos chamar o rio. 
Chegando perto de casa, o meu Leonardo ligou, perguntando se eu não podia tirar umas fotos deles chegando, com o belo final de tarde que estava se apresentando.
Subi na varanda da futura casa nova e achei eles voltando, láááá no fim do braço morto do rio, dois pontinhos dentro d'água.
A primeira foto ficou um pouco nebulosa porque tinha uma certa nebulosidade mesmo, e porque eu dei um super zoom para pegá-los na foto. 
O normal da máquina, do mesmo ponto da primeira foto é este, da foto acima. 
 Com zoom fica assim.
 O fim de tarde estava muito bonito mesmo!
 Os Leonardos remando e se aproximando.
 Amei as fotos!
 Gosto quando fica apenas uma silhueta.
O reflexo da água nos remos estava muito bonito! No pequeno filme abaixo, dá pra ver direitinho.
video

quinta-feira, 11 de maio de 2017

A dor ensina a gemer

Tem ditos populares que podem ser brega, piegas, o que for, mas cabem direitinho na vida real. 
Estou amando morar num sítio, longe dos congestionamentos e do agito da cidade grande. Longe da violência e dos assaltos, que mais cedo ou mais tarde, chegarão aqui, também. 
Por hora, os perigos do Recanto são outros. Eles rastejam e são venenosos... as serpentes!
Olha a bichinha mais de perto! Uma cruzeira, ou cruzeiro, apareceu na terça-feira. Eu estava fazendo o chimarrão na cozinha, de frente para a janela, quando vi que o Caniço deu um pulo para trás e começou a latir para baixo do reboque. Gelei! Não tinha visto a bichinha, ainda, mas a reação dele era típica. 
Leonardo no plantão, sobrou pra mim...
Prendi toda a cachorrada e aí, que fui olhar embaixo do reboque. A danada tava bem quietinha, e bem enroscadinha. Por sorte, não chegou a picar o Caniço, apesar de ter dado o bote. 
Comecei a tremer feito vara verde mas, não tinha outra alternativa, teria que ser eu a capturar a peçonhenta. Peguei o balde que havia separado para estas situações, mas ainda não tinha feito os furos na tampa. Fiz os furos, procurei uma vara e a bichinha lá, quietinha. Ainda bem! Olhei pra ela, olhei pro balde... resolvi pegar o tonel, que é bem alto. 
Ela se esquivou para um lado, se esquivou para outro mas consegui colocá-la no tonel! Urrúúúú! Agora, para de tremer, Tiane! :)
Coloquei o tonel com a bichinha, no galpão, e ali ela ficou até ontem. Leonardo querendo que eu a soltasse logo mas, cadê coragem? Não foi a primeira que eu capturei, mas nunca soltei nenhuma, Esta tarefa sempre foi do Leonardo e ele só volta na semana que vem.
E agora, quem poderá me ajudar??? Eu mesma! 
Procurei um amigo no Face, que foi tratador de serpentes do zoológico e tem algumas como bichinho de estimação, o Evandro, e pedi umas dicas. Uma dica bem legal que ele deu, foi que ela tinha que ficar com mais medo que eu. 😶 Oi?
Acordei ontem, quarta-feira, psicologicamente preparada para fazer a transferência da bichinha, para após, fazer a sua soltura.
Passo um - parar de tremer
Passo dois - levar todos os equipamentos e a cobrinha, lááá pra baixo, perto do rio, onde não tem cachorro e tem bastante espaço para fugir dela, se necessário. E parar de tremer.
Passo três - deslizar a bichinha do tonel para a caixa organizadora. Tampar a caixa!
Passo quatro - comemorar e parar de tremer!
Gente! Deu tudo certo! Foi mais fácil do que eu imaginava! Tô virando a Tiane dundee! :) 
Olha a bichinha bem acomodada, no banco do passageiro do carro, pronta para pegarmos a estrada em direção ao matinho onde costumamos soltá-las.  Pois é, a gente não mata, nem essas peçonhentas. Por mais medo que eu sinta delas, não tenho coragem de matar.  Até porquê, eu gosto delas! Bem longe de mim, mas gosto. Com estas aparições, tenho comprovado o que os entendidos em serpentes dizem, que elas não são  agressivas, elas não atacam, apenas se defendem. E realmente, elas têm tanto medo da gente, quanto a gente delas.
Se o Leonardo estivesse em casa, eu teria gritado: "Leonaaaardo!!!!", e ele teria feito todo o serviço, como aconteceu até hoje. 
Não é a primeira vez que acontece alguma coisa, que eu nunca pensei que fosse fazer na vida, mas quando não tem ninguém para fazer por nós, não tem jeito! A dor ensina a gemer!
E assim seguimos a vida no Recanto, olhando sempre  para o chão, para evitar acidentes, e ficar torcendo que os cachorros sejam mais espertos e tomem mais cuidado. E assim, viveremos felizes para sempre!

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Teias

Leonardo e eu madrugamos hoje, pois ele precisava pegar a estrada cedinho para começar um novo e longo plantão.
Ele pegou a estrada e eu comecei a função mais cedo, pois não gosto de voltar para a cama para dormir uma hora apenas. Fico mais cansada do que ficando acordada. Vai entender...
Assim que clareou o dia, percebi que o rio havia sumido! :)
Fato raro por aqui, a cerração era tanta, que cobriu o rio! E como diz o ditado, "cerração que baixa, sol que racha!" 
 Dito e feito! A cerração foi se dissipando e o sol aparecendo. Fui para o pátio, para começar a função de alimentar a bicharada, e me surpreendi com o que vi. O fio de luz estava lotado de passarinhos e teias de aranhas. Era a hora do rush do passaredo! Um do ladinho do outro, esperando o milho que colocamos no comedor. Voltei correndo para dentro de casa para pegar a máquina fotográfica mas, quando voltei, os passarinhos tinham voado.
Ficou um que outro, como esta pombinha.
 Foi olhando em volta, a procura do passaredo, que percebi a quantidade de teias de aranhas na vegetação.
 E não resisti. Parei um pouquinho o que estava fazendo e fui atrás das teias ainda molhadas pela alta umidade da noite.
 São tantas, mas tantas, que fica difícil escolher uma para fotografar. 
 O Leonardo faria a festa tirando uma foto mais linda que a outra, mas eu estou longe de fazer os melhores clicks. 
 Mas, quem não tem Leonardo, fotografa com Tiane mesmo, e lá fomos nós, eu e a cachorrada, Recanto a fora, atrás das teias. 
 Pituca e Zara Piq Piq atrás da teia.
 Até no chão, na grama, elas fazem teias.
 Sol subindo e gotas secando.
 Outra coisa que me chamou a atenção, foi que não tinha ninguém em casa! Não havia nenhuma aranha em todas as teias que olhei.
Teias vazias de aranhas e cheias d'água! :)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Espelho, espelho meu...

 Ontem de manhã. o rio estava tão parado, mas tão parado, que parecia um espelho
 Vaquinhas na água.
Os eucaliptos também estãoo refletidos no espelho. Quer dizer, no rio!